Apolo Santos

Administrador
  • Total de itens

    160
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    29

Apolo Santos venceu a última vez em Outubro 28

Apolo Santos tinha o conteúdo mais apreciado!

Reputação

56 Excelente

Minhas Mídias Sociais

6 Seguidores

Sobre Apolo Santos

Últimos Visitantes

461 visualizações
  1. Boa tarde pessoal, estava dando uma estudada sobre Manual de Tom e Voz e achei esse material e decidi compartilhar. Irei deixar o link original dele ao final do tópico, espero que consigam aproveitar e tirar o máximo de conhecimento que conseguirem. Apesar de simples o conteúdo, é de extrema importância saber como se posicionar no mercado e ter um uniformidade nas palavras, para fortalecer a identidade da marca. Segue o texto: Como e porque definir o tom de VOZ da sua marca! Sua marca tem uma voz própria? Encontrar um tom que seja coerente com os valores e com o propósito da empresa ajuda a criar conexões profundas com a audiência e faz parte do branding. Em resumo, o tom de voz é a alma da sua comunicação. Deve estar representado em todos os pontos de contato com o cliente, desde as redes sociais até o atendimento. Além disso, precisa estar conectado aos princípios e à personalidade da marca. A forma como você fala com seu cliente determina a forma como ele se relaciona e se identifica com o negócio. A voz da sua marca pode ser autoritária, informativa, divertida e até mesmo piadista. Seja qual for o tom, é preciso ser autêntico. Sua audiência sabe quando algo parece falso. Por isso, é importante ser sempre genuíno. Neste artigo, entenda o que é tom de voz e como você pode definir o seu e utilizá-lo. O QUE É TOM DE VOZ DA MARCA O tom de voz da marca é uma definição de uniformidade nas palavras, atitudes e valores de uma marca nos pontos de contato com o cliente. É pela voz que a marca expressa sua personalidade e seus valores. É como a empresa comunica seus valores, sua identidade e seu posicionamento no mercado. Todas as estratégias de comunicação e marketing dependem disso, e é por meio dessa voz que todas as ações se mantêm uniformes e coesas. Ou seja, existe o mesmo tom de voz no site, nas redes sociais, em e-mails, embalagens, anúncios, etc. Veja alguns exemplos: Coca-Cola: a voz é relacionada a felicidade, alegria e boas experiências. Disney: tem um vocabulário próprio, ligado a realização de sonhos, encantamento, diversão e brincadeira. Nike: toda a comunicação da marca tem seu slogan (“Just Do It”) e tem um tom motivador e inspirador. Como a empresa é feita de pessoas, elas precisam estar alinhadas a esse tom de voz. Mas como fazer isso? COMO CRIAR O TOM DE VOZ DA MARCA Construir uma boa linha de tom de voz pode levar tempo, por isso, é importante começar a defini-la assim que possível. Dessa forma, é mais fácil integrá-la à cultura organizacional a fim de que as pessoas a utilizem na hora de se comunicarem com clientes. Confira alguns passos: CONSTRUA PERSONAS A primeira coisa a fazer é entender com quem estamos falando, o que pode ser feito por meio das técnicas de criação de personas. Saiba mais sobre isso aqui. RELACIONE A PERSONA À MARCA Esta seleção de perguntas pode ajudar nessa fase: O que as pessoas devem sentir ao se relacionarem com a marca? O que devem pensar da sua empresa? Como descrever a marca? Quais marcas são uma inspiração para a sua? De quais marcas não queremos nos aproximar? Com essas respostas, você estará mais perto da definição de tom de voz. Para atender às necessidades de comunicação da marca, você deve ser mais autoritário? Compreensivo? Engraçado? CRIE UM GRUPO DE TESTES Depois de definir o tom de voz, passe a testá-lo. Crie algumas frases e peças-chave que reflitam diretamente a voz definida. Junte pessoas que sejam uma representação do seu público-alvo e pergunte a elas quais foram as sensações despertadas com aquelas frases e imagens. Aquilo tem a ver com o que elas imaginam que sua empresa seja? Utilize as impressões desse grupo para aprimorar ainda mais o tom de voz. Você está interessado em despertar aquelas emoções? Se não, como poderia alterar a mensagem de marca? MONTE UM MANUAL Para que a notícia chegue a todas as pessoas e elas utilizem o tom de voz no seu dia a dia, crie um manual. Coloque nele tudo que possa refletir a personalidade da empresa. Palavras, frases, imagens – tudo vale para criar o conceito. Garanta que todos os pontos de contato sejam consistentes e coerentes com essa voz. Além disso, crie um plano de implementação. Esteja aberto para tirar dúvidas caso elas surjam. DICAS PARA O SEU TOM DE VOZ Quer mais dicas para definir seu tom de voz? Confira algumas boas ideias: É para você, mas o público deve gostar: temos tendência a ir a favor de nosso próprio gosto ao definir questões relacionadas à marca. Evite isso. É preciso que as pessoas se identifiquem e, para isso, as mensagens devem ter tudo a ver com elas. Não aja como um robô: além de ser autêntico e genuíno, seu tom de voz deve ser humano. É como se a marca tivesse se transformado em uma pessoa e, por isso, a comunicação deve ser natural. Leve em conta os objetivos da empresa: é preciso, ainda, que o tom de voz tenha um papel no alcance dos objetivos da empresa. Você deseja, por exemplo, ter mais expressividade entre pessoas jovens? Então, fale em uma língua que elas entendam. Como você viu, criar um tom de voz autêntico pode ser um trabalho minucioso, mas que vale a pena. Outro ponto que você pode estruturar é o propósito do negócio. Créditos ao Inovação Sebrae Minas
  2. Boa tarde @Gustavo Toscani, como vão as coisas? Por aqui tudo bem, correria de sempre! Ficamos feliz em te ver aqui, estamos acompanhando a sua jornada desde o começo do nosso site mesmo e isso realmente nos satisfaz, ver que está confiando na nossa comunidade para auxiliá-lo! Quanto ao CartX, ouvi falar que ele seria desativado porém ainda não é certo. Vamos aguardar! Hoje em dia utilizo shopify, concordo que as vezes deixar tudo na mão de terceiros é ruim, porém tem que ver qual seria mais vantajoso. Tenho diversos amigos e companheiros que utilizam Wordpress, mas eles me relatam que a plataforma, apesar de muito funcional, é bem mais complexa de mexer. Quanto à indicação que você pediu, posso verificar com alguns conhecidos para ver se eles fazem ou recomendam alguém e lhe digo beleza? Se der me especifique o que exatamente você iria querer! Um grande abraço Gustavo, tenha uma boa semana!
  3. Conteúdo foda demais, mais uma aplicação fera do Sexy Canvas, parabéns! Pra quem não viu ainda, dá uma navegada no site que tem um conteúdo mostrando a teoria do Sexy Canvas e tem mais um estudo de caso também!
  4. Realidade nossa quando vai dormir! Fale ai se não é verdade! Créditos na imagem!
  5. Então pessoal, resolvi trazer hoje para vocês aqui uma análise do texto que vendeu mais de 2 BILHÕES DE DÓLARES do Wall Street Journal. Isso mesmo que você leu, ele vendeu tudo isso em inscrições para a assinatura do jornal! Sabendo disso, creio que todos concordam que podemos tirar muitos estudos desse conteúdo, e utilizar isso ao máximo nas copys que vocês forem fazer futuramente! Recomendo todos lerem a versão em inglês pois conseguimos absorver tudo na íntegra, mas caso você não domine muito bem, pode ler em português mesmo! Faça o download abaixo do texto, tanto em inglês quanto em português! Download do texto em inglês: Wall Street Journal 2 Billion.pdf Download do texto em português: Wall Street Journal Traduzido.pdf Análise do texto Se prestarmos atenção, logo no primeiro parágrafo já percebemos qual é o objetivo principal do texto: aproximar ao máximo os dois personagens, para depois mostrar que apesar de tantas semelhanças na trajetória de ambos, o resultado foi bem diferente. Isso nos instiga a parar e pensar que durante o caminho, algum dos dois tomou alguma atitude diferente que proporcionou tal diferença. Olhe abaixo: Isso é para termos uma noção do tanto que eles eram parecidos. Mas, apesar disso tudo, o resultado final foi extremamente diferente para ambos: O Wall Street Journal não apresenta a resposta para a diferença, apesar quebra completamente a expectativa e, a partir disso, o próprio leitor fica com a curiosidade de saber o porquê. O objetivo inicial da copy já está validado, que é prender a atenção do seu lead no primeiro momento! O que fez a diferença Nessa parte, o WSJ já inicia quebrando as objeções dos leitores. Basicamente, ele pega o que as pessoas tem como senso comum, que o sucesso e a inteligência depende apenas da dedicação, ou que algumas pessoas nascem com ela já. Todo o pensamento é moldado pelo autor do texto, que faz perguntas para que você responda sempre o que ele deseja, que no caso, a resposta é "sim!". Repare que o autor sempre fala em primeira pessoa, isso aproxima-o do leitor e causa mais afinidade/empatia. Note também que ele consegue apresentar o propósito do jornal, solucionando a dor e levando-o a pensar na possibilidade de mudar de vida, de conseguir escalar o seu negócio a partir do conhecimento que será adquirido lendo o jornal! Uma publicação como nenhuma outra Nesse novo tópico, é percebido que o autor aumenta o valor percebido do jornal, mostrando suas qualidades e benefícios. Ele mostra o que tem de diferente do WSJ para os demais. Fica claro que o jornal é essencial para qualquer tipo de pessoa, tanto para as que já são do ramo, quanto para as aspirantes que desejam mudar de vida. Em praticamente toda essa parte, o escritor realça a exclusividade do jornal, que ele é único e que busca sempre dar o melhor ao assinante. Conhecimento é poder Mais uma vez, o autor utiliza esse secção para aumentar ao máximo o valor percebido do jornal. Ele sempre destaca que é o jornal mais lido, com os melhores conteúdos, sempre entregando tudo que o assinante precisa, da melhor forma possível. A partir desse destaque, ele aborda também o que o jornal oferece, quais são as divisões e o porque ele foi feito especialmente para você! Ao terminar de ler essa parte, o leitor sente que está deixando uma oportunidade da lado, que ao não ser um assinante, as outras pessoas estariam em vantagem sobre ele, que realmente o conteúdo oferecido é premium e que compensa a assinatura, independentemente do preço. E esse trecho termina da seguinte forma, sempre evidenciando o sentimento que ele é feito para você e que eles se esforçam ao máximo para lhe agradar: Uma assinatura econômica Agora chegamos numa parte essencial da copy, que é a oferta. Até o momento, o autor estava apenas dizendo os benefício, o quanto o jornal é positivo e que traz um resultado imensurável aos assinantes, mas em nenhum momento foi dito o preço disso. Nessa parte, o escritor já começa dizendo o preço e dando os planos disponíveis para ter a assinatura do jornal. Logo em seguida, há a apresentação de uma garantia, que serve para aumentar ainda mais a possibilidade de compra da pessoa, pois se ela não gostar, ela terá o seu dinheiro ressarcido, como vemos: Lembre-se que para uma copy ser bem feita, ela deve convencer o lead a tomar uma atitude na hora, não deixar para depois. Isso acontece pois as pessoas compram na emoção, logo, se deixamos a possibilidade dela comprar depois, ela irá deixar o racional sobressair à emoção, e possivelmente não efetuará a compra. Assim, o autor ensina o leitor a comprar, mostra o quando e o que deve ser feito. E para finalizar essa parte, ele retorna à história contada inicialmente, dos dois jovens que tinham uma vida muito parecida e apresenta a resposta sobre a pergunta feita: " Você já se perguntou, como eu já me perguntei, o que faz esse tipo de diferença na vida das pessoas? ". E a reposta fica subentendida! Se entende-se que a diferença foi conhecimento, onde ele está? E a resposta em sua mente será: no The Wall Street Journal! Fechamento Para finalizar o texto e para dar ainda mais um ar de confiabilidade e ao jornal, ele faz a promessa de que os conteúdos que serão lidos no jornal serão, certamente, interessantes e úteis. Portanto, não há motivo para não comprar a assinatura! Todas as objeções foram quebradas, os benefícios foram apresentados, houve uma storytelling, a oferta e a garantia foram anunciadas! Espero que tenham gostado desse conteúdo! Fiquem à vontade para postar o que acharam, críticas e comentários são super bem-vindos!
  6. Fala @Gustavo Toscani! Realmente o CartX tem alguns problemas, atualmente eu utilizo o próprio checkout do Shopify, ele não está me dando nenhum problema. Mas vamos esperar para ver a resposta do @r_jobs, ele tem um conhecimento bem avançado quanto a isso!
  7. Boaa, isso ai! Não sou de Porto Alegre mas parabéns pela iniciativa! Vamos usar nossa comunidade para isso! Vamos esperar a galera falar aqui!
  8. Olá @Hélio Correia, seja muito bem vindo! Conte com a gente!
  9. Qual livro mais te marcou sobre Empreendedorismo? Para estrear a área da melhor forma possível, o que acham de compartilharmos um pouco sobre alguns dos livros que mais nos marcaram sobre empreendedorismo? Fique à vontade para comentar qualquer livro que tenha te acrescentando muito sobre o assunto, e se quiser falar no que mais ele te ajudou fique à vontade! Lembre-se que você é livre para postar o nome do livro que quiser. Não estamos aqui para julgar, mas para conversarmos e, a partir disso, conseguirmos gerar o máximo de conhecimento possível! O que você está esperando para postar abaixo o seu livro favorito de empreendedorismo? Vamos lá!
  10. Hierarquia de Necessidades: Pirâmide de Maslow Esse tópico será mais direto e conteudista, mas é um conceito que acho essencial considerar na hora escolher e ampliar as vendas de sua loja. Para que não conhece, segue uma breve apresentação do Maslow: Citação: Site JovemAdministrador Basicamente, ela está na ordem inversa de motivação, ou seja, a base da pirâmide é onde o ser humano tem mais motivação e urgência para tomar atitudes. E sempre que o homem supre uma dessas necessidades, ele avança para a próxima, por exemplo: se uma pessoa está com suas necessidades fisiológicas e se sentindo segura, ela começa a pensar mais na parte social ,interações, etc. Qualquer indivíduo sempre pensa em todas essas 5 necessidades, mas sempre prioriza as na base da pirâmide se tiver que escolher! Vamos considerar o seguinte. O ser humano só vai pensar no topo da pirâmide (necessidades mais supérfluas) quando a base estiver "levemente" satisfeita, por exemplo: uma pessoa só vai preocupar em ficar bonita se ela tiver uma saúde. Dessa maneira, conseguimos concluir que produtos que remetem a necessidades fisiológicas (imprescindíveis) e de segurança são as que mais vendem: remédios, produtos de emagrecimento, tratamentos, etc. Inclusive em períodos de crise econômica eles continuaram com um índice de vendas alto. Você consegue vender produtos do topo da pirâmide Isso tem que ficar bem claro. Você consegue vender qualquer produto que você quiser, lembre-se sempre disso. O que pode aumentar a sua conversão é apelar para as necessidades abaixo e supri-las ou passar a ideia de que o seu produto ajuda a supri-las. Segue abaixo alguns exemplos: Caso você esteja vendendo um produto de beleza feminino: mostre como ele consegue melhorar a autoestima da pessoa, que ela conseguirá se sentir melhor e, assim, ter a liberdade e plenitude que ela sempre sonhou. Somente com essa abordagem, se pararmos pra pensar, conseguimos abordar não somente a Estima, mas também a Segurança e a Fisiológica. Caso você esteja vendendo um curso/e-book sobre como ganhar dinheiro: mostre como o seu produto poderá ajudar o seu cliente a não se preocupar mais com os gastos com o que é necessário, como comida e até mesmo com o lazer de seu filho. Mostre como ele conseguirá ser mais bem visto e, consequentemente, melhorar a sua autoestima também. Se pararmos para pensar, em ambos os casos a Storytelling (contar uma história para se aproximar do lead) funcionaria muito bem. Busque sempre aproximar do seu cliente, mostrar que ele não é o único e que sim, é possível ele de imaginar e desenhar no lugar que ele poderia estar após a aquisição desse produto. Mostre o que ele está perdendo enquanto ele não toma a atitude e decide comprar. Utilize ao máximo da persuasão e da influência para convencer o seu lead! Críticas à Pirâmide de Maslow É importante ressaltar que, embora ela ainda seja muito utilizada e renomeada, ela foi desenvolvida na década de 1950. Desde então, o cenário mudou drásticamente sobretudo em função do avanço da tecnologia, porém isso não desmerece tal teoria. Apesar de ela ser questionada quanto ao seu funcionamento, fica a reflexão: o comportamento do ser humano pode variar, mas a mentalidade não segue um padrão, portanto, devemos considerar a análise sobre como os consumidores tomam decisões e de como as marcas devem se posicionar diante das necessidades dos indivíduos. Maslow foi um grande estudioso e dedicou grande parte da sua vida para esses estudos, logo, devemos absorver ao máximo o que a pirâmide de necessidades nos apresenta e, quem sabe, adaptá-la aos tempos modernos. O complemento abaixo foi retirado do site SBCoaching! Necessidades Fisiológicas Tratam-se das mais básicas necessidades, que precisam ser saciadas para manter o corpo saudável e garantir a sobrevivência. São elas, por exemplo: Processos de homeostase (sentimento da temperatura corporal, funcionamento hormonal, entre outros) Processos de respiração, sono e digestão Saciamento de fome e sede Disponibilidade de abrigo Maslow acreditava que, sem essas necessidades saciadas, o indivíduo sequer pode preocupar-se com os níveis seguintes da pirâmide. Necessidades de Segurança A necessidade de segurança engloba mais do que a presença de um abrigo. Confira alguns exemplos: Estabilidade no emprego: renda garantida Segurança do corpo: abrigo seguro, proteção contra ameaças Segurança da saúde: planos de saúde, ausência de doenças Segurança da família: seguros de vida Segurança da propriedade: casa própria, garantia de proteção aos seus bens Ou seja, esse nível da pirâmide trata das sensações de proteção e garantias de soluções perante a situações que estão fora do controle do indivíduo. Necessidades Sociais Essas necessidades estão relacionadas com o senso de pertencimento e intimidade, dois fatores essenciais para a felicidade humana. Evoluímos, afinal, de maneira social. O bom relacionamento com o grupo e com os pares é importante para os esquemas de motivação. Veja alguns exemplos: Amizades Família Relacionamentos amorosos Intimidade sexual Intimidade platônica Pertencimento a grupos ou sociedades (igreja, escola, grupos de atividades, grupos de interesses em comum) Identificação e aceitação perante a seus pares Necessidades de Estima Além de assegurar relacionamentos, o ser humano também tem a necessidade de sentir-se estimado neles. Ou seja, precisa desenvolver a habilidade de reconhecer suas potencialidades. Precisa também que seus pares reconheçam e identifiquem seu valor no grupo. Veja alguns exemplos: Autoestima Confiança Conquistas e realizações Reconhecimento dos pares Respeito dos outros Respeito aos outros Necessidades de Auto Realização Tratam-se das mais complexas necessidades do ser-humano. São, entretanto essenciais para que o indivíduo alcance a verdadeira realização pessoal e profissional. Confira: Moralidade: definir e seguir o seu próprio sistema moral Valores: conhecer e se ater aos seus valores fundamentais Independência: auto-suficiência e liberdade Criatividade: rotina que possibilita que o indivíduo exercite suas capacidades inovativas Espontaneidade: capacidade de agir de maneira autêntica e congruente com seus pensamentos Controle: possuir o controle de suas emoções e ações Autoconhecimento: entender seus objetivos, potencialidades e pontos fracos É preciso muito trabalho, reflexão e conhecimento de si para satisfazer essas necessidades. No entanto, essa é uma jornada que vale muito à pena. Créditos ao Apolo Santos (AprendaDrop) Trechos conceituais: SBCoaching
  11. Muito bem observado @Fernando Felipetto! Link adicionado! Obrigado pelo feedback!
  12. Que bom que gostou, fique à vontade! Estamos sempre buscando gerar conteúdos novos e autorais!
  13. Conte conosco @Cíceron! Estamos aqui para lhe ajudar da melhor forma possível!
  14. Seja muito bem-vindo @felipemila! Vi o Instagram e achei muito fera, vou acompanhar os conteúdos! Ficamos felizes em tê-lo aqui em nossa comunidade, conte com a gente para o que precisar! Que os boletos convertidos estejam conosco! Abraços!
  15. Olá @Newton Sergio Borges. Desculpa a demora, não havia visto a sua resposta! Irei tentar lhe auxiliar. Eu utilizo e recomendo a Shopify. Por lá você consegue automatizar várias ferramentas que você não conseguiria com o Wordpress. Não sou especialista em Wordpress, portanto, se eu falar muito não estarei sendo justo. Mas a forma de resposta ao cliente, de mineração de produtos e outras já são um diferencial enorme da Shopify. Você deve utilizar o aplicativo Dropified! Eu recomendo o da GoDaddy pois facilita na hora de vincular com a Shopify. Sempre comprei na GoDaddy e nunca tive nenhum problema, mas se quiser comprar em outras plataformas não tem nenhum problema, isso vai de cada um. Realmente isso que você falou é um ponto a se considerar, pode ser melhor mesmo. A resposta disso é teste. Realmente acho que você deve escolher uma das duas e testar. A nichada é melhor pois você consegue entrar em vários nichos, atingir um público maior e fazer mais testes, mas a nichada é excelente para criar um Branding melhor, uma identidade visual da marca/empresa. Se você estiver vendendo produtos semelhantes, acho que é melhor focar e nichar para ver o resultado. Quanto a LandingPage, é uma boa, porém tem que considerar que terá um trabalho maior. Assim, se estiver no começo, para não ficar sobrecarregado, recomendo vender normalmente pela loja e à medida em que for se estruturando, começa a mexer com ela, pois querendo ou não a conversão aumenta.